???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/handle/tede/1128
???metadata.dc.type???: Dissertação
Title: Avaliação in vivo de retinol em produtos (farinha e bolo sem glúten) oriundos de batata-doce (Ipomoea batatas) cultivar Beauregard biofortificada com carotenoides
???metadata.dc.creator???: Camargo, Valéria Cristina dos Santos 
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Srebernich, Silvana Mariana
???metadata.dc.contributor.referee1???: Clerici, Maria Teresa Pedrosa Silva
???metadata.dc.contributor.referee2???: Gonçalves, Gisele Mara Silva
???metadata.dc.description.resumo???: A batata-doce biofortificada e seus derivados, com maiores teores de carotenoides pró-vitamínicos A, foram desenvolvidos como modo alternativo e complementar as intervenções dietéticas voltadas ao combate da deficiência de vitamina A. A biodisponibilidade dos carotenoides pró-vitamínicos presentes nestes alimentos foi avaliada em Gerbils (Meriones unguiculatus), para se obter conhecimento se o nutriente ingerido ficará disponível ao organismo para o desempenho das funções a ele atribuídas. Foram utilizados 30 animais machos, com 35 a 41 dias de idade e peso corporal variando entre 50,94g (+/- 6,97). Durante quatro semanas os animais foram alimentados com dietas livre de vitamina A (SVA) a fim de induzir a deficiência marginal de vitamina A. Em seguida foi realizada a eutanásia de cinco animais e os demais foram distribuídos em quatro grupos, composto por cinco animais, que foram alimentados com dietas experimentais durante um período de quatro semanas. Sendo que receberam as seguintes dietas: G1: Dieta controle - AIN93G contendo 6 UI de Vitamina A; G2: Farinha de batata-doce biofortificada, G3: Bolo 1 (produzido com farinha de batata-doce) e G4: Bolo 2 (produzido com raízes in natura). Foi feito o controle diário de peso e consumo alimentar. Após quatro semanas de repleção o grupo 4 exibiu diferença significativa do grupo 1 (p <0,001) apresentando um maior consumo alimentar, e os demais grupos não diferiram entre si. Com relação ao ganho de peso os grupos 3 e 4 apresentaram um ganho maior quando comparados aos demais grupos, que apresentaram semelhança entre si. Os níveis de retinol plasmático de vitamina A não demonstraram diferença significativa entre os grupos que receberam as dietas controle e sem SVA (depleção). Entretanto, foi possível observar que os carotenoides pró-vitamínicos foram convertidos em vitamina A, ficando disponíveis ao organismo. Demonstrando que a batata-doce biofortificada cv. Beauregard e seus derivados possuem potencial para serem utilizados no combate da deficiência de vitamina A.
Abstract: A batata-doce biofortificada e seus derivados, com maiores teores de carotenoides pró-vitamínicos A, foram desenvolvidos como modo alternativo e complementar as intervenções dietéticas voltadas ao combate da deficiência de vitamina A. A biodisponibilidade dos carotenoides pró-vitamínicos presentes nestes alimentos foi avaliada em Gerbils (Meriones unguiculatus), para se obter conhecimento se o nutriente ingerido ficará disponível ao organismo para o desempenho das funções a ele atribuídas. Foram utilizados 30 animais machos, com 35 a 41 dias de idade e peso corporal variando entre 50,94g (+/- 6,97). Durante quatro semanas os animais foram alimentados com dietas livre de vitamina A (SVA) a fim de induzir a deficiência marginal de vitamina A. Em seguida foi realizada a eutanásia de cinco animais e os demais foram distribuídos em quatro grupos, composto por cinco animais, que foram alimentados com dietas experimentais durante um período de quatro semanas. Sendo que receberam as seguintes dietas: G1: Dieta controle - AIN93G contendo 6 UI de Vitamina A; G2: Farinha de batata-doce biofortificada, G3: Bolo 1 (produzido com farinha de batata-doce) e G4: Bolo 2 (produzido com raízes in natura). Foi feito o controle diário de peso e consumo alimentar. Após quatro semanas de repleção o grupo 4 exibiu diferença significativa do grupo 1 (p <0,001) apresentando um maior consumo alimentar, e os demais grupos não diferiram entre si. Com relação ao ganho de peso os grupos 3 e 4 apresentaram um ganho maior quando comparados aos demais grupos, que apresentaram semelhança entre si. Os níveis de retinol plasmático de vitamina A não demonstraram diferença significativa entre os grupos que receberam as dietas controle e sem SVA (depleção). Entretanto, foi possível observar que os carotenoides pró-vitamínicos foram convertidos em vitamina A, ficando disponíveis ao organismo. Demonstrando que a batata-doce biofortificada cv. Beauregard e seus derivados possuem potencial para serem utilizados no combate da deficiência de vitamina A.
Keywords: Hipovitaminose A Carotenoides Batata-doce biofortificada Biodisponibilidade de Vitamina A Gerbil Panificação
???metadata.dc.subject.cnpq???: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::NUTRICAO
Language: por
???metadata.dc.publisher.country???: Brasil
Publisher: Pontifícia Universidade Católica de Campinas
???metadata.dc.publisher.initials???: PUC-Campinas
???metadata.dc.publisher.department???: CCV – Centro de Ciências da Vida
???metadata.dc.publisher.program???: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Citation: Camargo, Valéria Cristina dos Santos. Avaliação in vivo de retinol em produtos (farinha e bolo sem glúten) oriundos de batata-doce (Ipomoea batatas) cultivar Beauregard biofortificada com carotenoides. 2018. 173p. Dissertação( Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas-SP.
???metadata.dc.rights???: Acesso Aberto
URI: http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/handle/tede/1128
Issue Date: 28-Jun-2018
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
VALERIA CRISTINA DOS SANTOS CAMARGO.pdf1.59 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.